quinta-feira, janeiro 15, 2015

carrinho de bebé

Quando soube que estava novamente grávida, alguns dos meus primeiros pensamentos - passada a alegria e euforia inicial - foi o que é que eu ainda tinha da Madalena que pudesse ser reaproveitado agora para esta segunda viagem. A verdade é que tenho pouca coisa, afinal já se passaram 6 anos - mas o que tenho ainda vai  dar imenso jeito. Tenho roupa da Madalena de recém nascida (muitos bodies e babygrows que vão dar para o próximo vestir até ter pelo menos uns 3 ou 4 meses), tenho roupa de cama, lençóis de caminha e de alcofa bordados pela minha mãe, edredons e mantinhas que estiveram emprestados mas que vão retornar à base. Tenho o ovo que também emprestei e que também vai regressar à base. Um esterelizador de biberões da Avent que estava emprestado e que... pois, isso, vai regressar à base. Assim como um ginásio, uma manta de actividades e acho que mais nada. Claro que já é uma ajuda enorme, mas vou ter de fazer um bom investimento porque me falta a chamada "artilharia pesada", as coisas mais caras como, por exemplo, o carrinho.
Quando estive grávida da Madalena perdi a cabeça e comprei o carro pelo qual me tinha apaixonado perdidamente: o Quinny Buzz. Gastámos uma fortuna no carro, que eu amava de paixão, mas que no dia-a-dia não se revelou o mais prático ou o mais utilitário. Para começar a Madalena sempre odiou andar no carro desde que mudou do ovo para a cadeira de passeio do mesmo. Nunca consegui que ela adormecesse no carrinho e lembro-me de desesperar com o assunto. E o Quinny Buzz apesar de muito giro, cheio de pinta, moderno e de design apetecível, revelou-se um grande trambolho. Fechado ocupava imenso espaço - felizmente cabia à conta na bagageira do meu Honda - mas pronto, era só o carro e praticamente mais nada lá dentro. Além disso, era tão largo que muitas vezes não passava em algumas caixas de supermercado que não tinham largura suficiente. Era um desespero. Por isso, ao fim de pouco mais de um ano e a partir do momento em que a Madalena começou a dar os primeiros passos, larguei o Quinny Buzz e passei a andar com uma bengala descobrindo um fantástico novo mundo. Era leve, prática, fechava e abria num instante e não tinha de andar carregada com um peso monstro atrás. O Quinny Buzz ficou assim renegado na arrecadação nunca mais vendo luz do dia. Entretanto separei-me e a verdade é que na altura, apesar de ter trazido imensa coisa da Madalena, não pensei que um dia mais tarde fosse precisar do Quinny - além de estar longe de pensar que voltaria a ter filhos - e, como tal, o carrinho ficou com o defunto.
Pois bem, passados alguns anos e como prova de que a vida realmente dá mesmo muitas voltas, eis-me de novo grávida e de regresso à temática dos bebés e inevitavelmente dos carrinhos. Já andei a ver alguns sites e preços e acho tudo caríssimo. Depois, como a minha experiência com um carrinho não foi das melhores, acho dinheiro mal gasto para usar tão pouco tempo, já ponderei comprar um carro barato da Zippy, fazer a coisa por uns 300 euros (+ ou -), mas continuo apreensiva, até porque eu já tenho um ovo (da Maxicosi) que dá para usar em algumas marcas, nomeadamente a Quinny e Bebe Confort.
Acontece que o meu ovo - que esteve estes anos todos emprestado - já serviu a 3 crianças e não sei em que estado estará o mesmo. Por isso, não sei se compensará comprar um carro novo e um ovo novo, ou um carro que dê para colocar o ovo que já tenho.
Também já perguntei a todas as poucas que conheço e que têm filhos se têm um carrinho que me possam emprestar, mas sem sucesso. Também já andei a pesquisar no OLX por carrinhos e mandei emails a alguns anúncios que me pareceram um bom investimento, mas, azar dos azares, até ao momento não obtive uma única resposta! (O que acho estranhíssimo) Houve um contacto que já enviei 3 emails e até agora nada, rien, capute... o universo a conspirar contra mim.
Por fim, em conversa com uma amiga, eis que ela me apresenta esta marca: a Greentom pela qual fiquei perdidamente apaixonada. Além de ser sustentável e de gostar daquele design de inspiração nórdica, simples e esteticamente agradável, o preço é apelativo. Só há um senão: pelo que vejo no site não tem ovinho, apenas carrinho de passeio e alcofa.
Alguém que me leia sabe dar-me indicações mais precisas sobre esta marca, caso a tenha e conheça? Gostam? Estão satisfeitas? Recomendam?
Eu adoro esta combinação de branco/cinza e de branco/verde menta. São tãããõooo lindinhos!

 

6 comentários:

Helena disse...

A Ana da marca Ma Petite Princesse tem um carro dessa marca e fala dele algumas vezes no blog (pode ser que te seja útil a opinião dela).

Tita disse...

Posso contar-te um pouco da minha experiência??

Eu tinha o ovinho da maxi cosi emprestado mas n tinha carrinho. Então, embora todas as pessoas tivessem achado uma Valente asneira, apenas comprei o quinny zapp que é a bengala da quinny. o ovo encaixa perfeitamente e depois do ovinho passou logo para esse carrinho, que nem 200 euros deve ter custado.... as minhas amigas tinham o quinny que tu compraste e algumas até tiveram que comprar carros com bagageira maior só para o transportar.... no final todos nos deram razão....
eu faço parte de um grupo no face que tem uma mama que tem um carro para venda por 200 euros e parece-me bom e tem um ovo por 50. se quiseres adiciona-me que eu indico-te o grupo para veres as fotos dos carrinhos e falares com ela. eu vou procurer-te no face e envoi-te um pedido de amizade. mas só aceitas caso queiras, ok? bjs

Mafalda disse...

Olá Tita, sim, adiciona-me! aqui fica o link da minha página de facebook: https://www.facebook.com/santos.mafalda

beijinhos!

Maffa disse...

Ah pois... trambolhos näo...
Esse parece muito giro e maneirinho!! Mas nunca vi aqui pelas bandas do norte...

Melissinha disse...

Ó Mafalda, lembrei-me agora que tenho, ou tinha, ali em baixo um pula-pula teu. Vou procurar, mas receio bem que tenha ido à vida numa limpeza que o Hugo há uns anos, porque foi tudo (tivemos uma inundação). Se for o caso, nada temas, eu dou um jeito antes da criança precisar dele! :)

Mafalda disse...

Melissa, não te preocupes com isso, a sério! Eu é que fui uma desnaturada que nunca mais quis saber do saltitão pula pula quando tu até tentaste livrar-te dele e devolvê-lo a seu dono várias vezes!
Se o Hugo o mandou fora, fez ele bem, senão, vendam-no no OLX! (se ainda estiver em condições!) ;)