quarta-feira, abril 08, 2015

29 semanas


Mais um dia, mais uma etapa, mais uma meta que, devagarinho, vamos conseguindo ultrapassar, mais uma semana que se contabiliza. 29 é o número de hoje e a palavra de ordem continua a ser "retenção".
A passagem do tempo pode ser muito ingrata quando se está retida em casa e sem autorização para pouco ou quase nada. Respira-se fundo, tenta-se abrandar de todas as maneiras mas a mente prega-nos partidas e conspira contra nós, desmotiva-nos, leva-nos a querer sair lá para fora - afinal, ainda há tanto para organizar e tanto por comprar e eu aqui deitada - mas o corpo não deixa e dá sinais. E se ele nasce? E se for muito cedo? E se eu não conseguir aguentar até ao fim? 'E se', 'E se', 'E se'... uma imensidão de dúvidas e incertezas. 
Os dias sucedem-se com pouca diferença entre eles e, no entanto, passam a uma velocidade demoníaca. E eu com tanto por fazer. Tento não pensar muito no assunto mas é-me inevitável. Falta-me a alcofa e o ovinho que nunca mais chegam, falta-me o carro que nunca mais vem, falta-me o colchão muda faldas para servir de trocador em cima da cómoda que também ainda não comprámos, falta-me a mala de maternidade para o Afonso, a bolsa para guardar os documentos e o muda faldas portátil que ainda não tive tempo de escolher ou de decidir. Falta-me comprar pijamas para levar para a maternidade, ou seleccionar e lavar os conjuntinhos que quero que ele vista nos primeiros dias na maternidade, falta-me ainda mais conjuntinhos e roupa, pois tenho a sensação de que aquilo que já tenho é insuficiente. Falta-me coisas pequeninas e essenciais como a tesoura de pontas redondas para as unhas, a esponja natural para o banho e o respectivo termómetro de água, pente ou escovinha de cerdas moles para pentear o cabelinho de um recém-nascido, o aspirador nasal, o escovilhão para lavar os biberões, assim como tetinas e biberões novos, discos de amamentação, produtos de higiene, fraldas, compressas, cinta pós parto. Falta-me acessórios que, não sendo essenciais, dão alegria à preparação do que é esperar por um filho e preparar o seu canto, como uma caixinha de música, um simples móbil para o berço, intercomunicadores,l ou um prende-chuchas para a roupa. Enfim, a lista é tanta e tão grande que só de pensar nela ou estar a escrever o que ainda me falta me deixa ansiosa e frustrada. Bem sei que nada disto é super essencial, que o importante é ele estar e nascer bem, dentro do tempo devido, mas a ausência destas pequenas coisas conspira contra mim, consumindo-me a alegria da espera.
Um dia de cada vez tento mentalizar-me, sendo que amanhã é dia de consulta e ecografia. Vamos saber de que tamanho e peso aproximado está o Afonso e como anda este colo do útero - as dores ultimamente têm sido muitas, principalmente à noite - por isso todo o cuidado é pouco. 
Até lá celebro a data de hoje e festejo mais uma etapa alcançada mesmo que o tempo e as horas conspirem contra mim. 

29.

1 comentário:

Inês Vieira disse...

Adorei!
Já fiz a tag e nomeei-te!
http://pontodosmeusis.blogspot.pt/2015/04/liebsteraward.html

Beijinhos